uma Retórica escrita

sexta-feira, 8 de outubro de 2010


Os diversos olhares me espantam causando em mim uma perda de fluido liquido (suor), onde me sinto desajeitado e desarrumado, mesmo que tenha conteúdo, transpareço ser um leigo e preguiçoso em relação a leitura, sinto-me acanhado e desarranjado, como se o que falasse estivesse em outro idioma, totalmente novo, em que somente minha mente fosse capaz de decodificar. Sartre diz que quando falamos, falamos em um idioma em que todos entendem, porém quando escrevemos, escrevemos em um idioma diferente. Contudo, comigo ocorre o oposto, quando estou falando, falo em um idioma estranho a todos, porém quando escrevo, este codifico em uma linguagem em que todos fluentemente decodificam. Quando vejo as palavras em minha frente sendo originado a partir do movimento da minha mão e dos meus dedos, me sinto seguro, coerente, um jovem que tem certo conhecimento formado e que tem uma quantidade considerável de conteúdo, o papel, ou a pagina do Word/bloco de notas, olham pra mim, e me sinto preparado,com isso desenvolvo, e no momento em que escrevo, e leio revendo o que fiz, é como se não fosse eu que tivesse escrito!




RQT--

2 comentários:

Gaby disse...

Gostei muito desse post, principalmente da sua citação de Sartre e da sua opinião contrária a dele.
(...) Onde me sinto desajeitado e desarrumado, mesmo que tenha conteúdo, transpareço ser um leigo e preguiçoso em relação a leitura, sinto-me acanhado e desarranjado(...)

Me sinto exatamente assim, rs
é muito bom quando lemos algo e nos encontramos dentro do conteúdo!
Parabéns sempre, beijos

Reuel Albuquerque disse...

Cada ser humano é dotado de habilidades... escrever é a sua...
rsrs... vc tem talento!

Postar um comentário

"Examinai tudo. Retende o que é bom.”
- I Tessalonicenses, 5:21 -

O Senhor e Rei eterno
 

Browse

Total de visualizações de página