Uma subjetiva perícope para um egoísmo concreto!

quarta-feira, 29 de setembro de 2010



Somos estranhos, nunca estamos contentes com o que contemos, se temos pouco queremos o mais, se temos o mais anelamos mais ainda, e se possuímos o muito, desejamos o pouco para ver se conseguimos viver sem o muito... Geralmente ansiamos por aquilo que não vai nos trazer trabalho, se escolhemos alguém para estar conosco, selecionamos numa perspectiva que vá nos trazer gozo, e não aceitamos o individuo do jeito que ELE É, mas queremos que ELE SEJA AQUILO QUE QUEREMOS que ele seja... Logo, não amamos a pessoa, mas aquilo que agente quer que a pessoa seja... Dizemos que somos diferentes e queremos respeito, porém não respeitamos o diferente do outro...

*Todas as pessoas, cada uma delas, são malignas, e para fazer elas acreditarem que são boas, elas precisam se convencer de que outro alguém é mais maligno que elas...



Rafael Q. T


(*bleach Ep. 290)

4 comentários:

Alexandre Devereaux disse...

Ai ai... a universalização do conhecimento filosófico "bleachiano"..rs

Sabe Rafa, as vezes penso sobre nossa incompreensível natureza. Amamos, de fato, as possibilidades, o improvável, o desconhecido, nossas projeções, desejos inócuos ... é o que provavelmente nos torna diferentes do ser divinal, que ama a essência do outro no hoje, e não o que vai tornar-se, ... ou não....

Ótimo texto pra minha devocional de hoje, obrigado! =)

Rafael de Queiroz Torres disse...

valew alê pela participação... e que bom saber que estou cooperando com a sua devoção de hoje!

Izabel Marques disse...

muito lindo o texto..
é a realidade de cada ser humano...

Gaby disse...

Tão bom, que fiquei sem palavras para criticas e observaçoes...

Postar um comentário

"Examinai tudo. Retende o que é bom.”
- I Tessalonicenses, 5:21 -

O Senhor e Rei eterno
 

Browse

Total de visualizações de página